Ceará das Rabecas

Começa hoje e segue até domingo, o I Ceará das Rabecas, encontro que reunirá mestre rabequeiros de todo o Estado. O evento ainda contará com oficinas, seminários,shows, lançamentos de livros e workshops

Hoje, amanhã e domingo, Fortaleza sediará um encontro, no mínimo, raro. Acontece no Sesc Senac Iracema e no Seminário da Prainha o I Ceará das Rabecas, promovido pela Rede de Atenção Cego Aderaldo e Mungango Produções. Pela primeira vez, a Capital abrirá espaço para novas e antigas gerações de rabequeiros, com uma programação para lá de especial.

Serão 10 mestres rabequeiros, três luthiers (produtores de rabecas com diversas matérias-primas), shows, exposições, minicursos, oficinas, intercâmbios, seminários, workshops e, claro, apresentações de mestres tocadores desse instrumento medieval.

De acordo com o diretor executivo do I Ceará das Rabecas Ronaldo Agostinho, além de projetar o Estado no cenário nacional, viabilizar o intercâmbio de conhecimentos, incentivar o aprimoramento técnico e artístico de produtores e instrumentistas, o festival de Rabecas e rabequeiros pretende ampliar e valorizar o trabalho dos mestres cearenses desta arte.

“Durante o encontro estaremos focados na formação, capacitação e repasse dos saberes dos mestres. Esse evento segue tendências de políticas públicas modernas, que visam, dentre outros objetivos, incrementar o turismo local. Além de tudo, será um encontro inédito, direcionado para uma área que, normalmente, não teria tanta atenção”, destaca Agostinho.

E o encontro que começa logo mais promete ser primoroso mesmo. Hoje, na abertura , além da noite de autógrafos do decantado livro de Gilmar de Carvalho e Francisco Sousa, a programação do Festival rabequeiro apresentará a exposição fotográfica “A arte da rabeca e lutheria”; o documentário “Mestre Lino”; a Orquestra Armorial do Cariri, com suas rabecas feitas de cabaças; shows com mestres rabequeiros; e mesa redonda com Henilton Parente de Menezes, secretário de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic), e Juliano Smith, coordenador do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), ambos ligados os Ministério da Cultura. A abertura será às 19h, no Sesc Senac Iracema.

“O I Ceará das Rabecas segue a tendência das políticas públicas que visam fortalecer a cadeia turística gerando emprego e renda no interior. Quem vier ao festival terá acesso a informações amplas, participará de oficinas temáticas, palestras, exposições de fotografias e de instrumentos, lançamento de livro, apresentações artísticas, barracas para feira de artesanato e comidas típicas, dentre outros”, ressalta Ronaldo.

No sábado, 19, pela manhã, terão início as oficinas de xilogravura, ministrada por João Pedro do Juazeiro, e de construção de rabecas de cabaças, com Di Freitas. No período da tarde, no Centro Cultural Capoeira Água de Beber, a programação ficará a cargo dos workshops “Fotografia e tradição”, com Francisco Sousa; e “O toque da rabeca”, com Maestro Abimael.

A partir das 16h, acontece o seminário “Cultura e Tradição – Patrimônio Imaterial”, cujos convidados Clerton Martins, Gilmar de Carvalho e Oswald Barroso, discutirão o tema citado, com mediação do produtor cultural, Erivaldo Casimiro. À noite, o jovem Jeferson Leite, ao lado dos mestre Antonio Hortênsio, Bia, Zé Biro Novo, Luiz Buretama e a banda Fulô da Aurora, animam o encerramento do segundo dia de atividades.

No domingo, dia 20, continuam as oficinas e a segunda etapa do seminário “Cultura e Tradição” terá as presenças de Luciana Gifoni, Elba Braga Ramalho e Lourdes Macena, discutindo o tema “Etnomusicologia”. O encerramento do I Ceará das Rabecas será animado pela banda Dona Zefinha, Reisado Mestre Zé Augusto, de Independência, além de show dos mestres Dico Mateus, Genésio Briso, Chico Barbeiro, e apresentação coletiva com todos os mestres rabequeiros. (NR)

Israel Honorato Dutra

Oi! Me chamo Israel sou violinista, idealizador e "faz tudo" do Portal Violino Vermelho.

Deixe um comentário!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.