Como escolher um arco de violino?

COMO ESCOLHER O ARCO

 

Aceita-se geralmente que um musico de instrumento de corda compra primeiro um instrumento antes de começar a procurar um arco. A pergunta de muita gente é: o que é mais importante, o instrumento ou o arco. Eu digo o seguinte: você vai a um recital de violino ou você vai a um recital de arco? É o músico um violinista ou um “arquista”? Eu acredito que isso responde à pergunta. Entretanto, depois que o instrumento ideal é encontrado, o arco deve ser a próxima procura.

Ao procurar um arco, deve-se ter em mente que apenas porque um arco é caro não lhe faz automaticamente um arco melhor.

Em termos de materiais o pau brasil é a melhor madeira para o arco. Outras madeiras são usadas para arcos mais simples e para arcos de estudante. Nos últimos 10 anos a fibra de carbono tem se mostrado uma opção interessante para a confecção de arcos e muita gente diz que a fibra de carbono é tão boa quanto o pau-brasil. Sendo que os arcos de fibra de vidro são usados para estudantes.

A crina do arco é tradicionalmente branca ou preta sendo que a crina preta é mais usada para arcos de contrabaixo. Muitos substitutos foram experimentados, mas a crina do cavalo é considerada ainda o melhor material. Quando estiver avaliando um arco certifique-se que a crina é nova ou pouco usada. Com o tempo a crina estica e perde sua habilidade de reter resina. Um bom arco com crina velha é como um bom violino com cordas velhas.

Redondo ou octagonal
A forma do arco é assunto de muita discussão.Algumas pessoas acreditam que um bom arco deve ser redondo, outras preferem o formato octogonal. Porém, o equilíbrio do arco e a qualidade da madeira que está sendo usada serão o fator decisivo na qualidade do arco.

Equilibrio
O equilíbrio correto de um arco é muito importante. O arco não deve ser demasiado pesado no talão e nem ser demasiado leve na ponta. Se for demasiado leve na ponta será difícil começar um som forte na parte superior do arco, se for demasiado pesado no talão será difícil controlar golpes de arco como o spicatto e mudança de corda.

Dimensões ideais para o arco, que variam entre 74 e 75 cm de comprimento, com ponto de equilíbrio fiel a 19 cm do talão, pesando entre 59 a 62 gramas, evitando assim, dores no punho e no braço, conhecida hoje como tendinite.

Força e flexibilidade
A força da vareta e a flexibilidade são basicamente opostos, contudo são extremamente necessários para que um arco seja capaz de produzir um bom som. A força da vareta é absolutamente essencial para fazer um som forte e poderoso. O arco deve ter rapidez de resposta e clareza na articulação.

Para avaliar a força, eu verifico primeiro a dificuldade para girar o parafuso ao apertar a crina. Se o talão estiver bem ajustado na vareta e o parafuso girar com extrema facilidade o arco é demasiado fraco. Coloque o arco em cima de uma corda do seu instrumento e force para baixo, verifique quanta resistência ele oferece antes de encostar a crina na vareta.

Curvatura e alinhamento
A curvatura é extremamente importante porque determina algumas características muito importantes. Se o arco tiver uma curvatura excessiva poderá se tornar muito duro e desajeitado e se não for curvado o bastante se tornará fraco e sem clareza nas articulações. O arco pode perder sua curvatura com o tempo se não for devidamente afrouxado na hora de guardar. A curvatura pode ser refeita e para isso é necessário um luthier que tenha experiência, pois esse é um procedimento muito delicado. Os arcos franceses costumam ter bastante curvatura na parte superior começando bem perto da ponta, isso dá mais firmeza e som mais brilhante. Os arcos alemães por sua vez têm curva mais suave e homogênea, portanto, produzem som mais escuro e a vareta fica um pouco mais flexivel.

 

País de origem
Os franceses são conhecidos pelos seus arcos assim como os italianos são para violinos. O francês inventou o arco como nós o conhecemos hoje e a maioria dos golpes de arcos usa palavras francesas. A França, durante muitos anos, produziu muitos archetiers de alto nível, mesmo para os arcos feitos por fabricantes franceses modernos o preço tenderá a ser mais elevado do que de outros países tais como alemães, suíços, e estados unidos.

Ornamentação
Fabricantes de arcos individualizam seus produtos de diversas maneiras. Alguns arcos são altamente decorativos, alguns adornados muito simplesmente. O músico não deve supor que mais decoração significa automaticamente mais qualidade.

Porém freqüentemente os melhores arcos são montados em prata ou em ouro e a montagem em níquel fica para os arcos mais simples.


The following two tabs change content below.
Violino Vermelho é um portal de notícias e serviços com ênfase em música e instrumentos de cordas.

Latest posts by Violino Vermelho (see all)

Post navigation

23 comments for “Como escolher um arco de violino?

  1. Alice Caroline
    29 de junho de 2009 at 21:56

    Parabéns pelo blog está ótimo.bjusss

  2. Raymundo Almeida
    28 de fevereiro de 2010 at 18:50

    Gostei, mas hoje o Brasil é o maior exportador de arcos de violinos do mundo.

    e os melhores arcos hoje estão sendo fabricado aqui.

    graças a o grande saudoso HORST JOHN alemão radicado Brasileiro que fundou a primeira fabrica de arcos no Brasil no Distrito de Guaraná-Aracruz-ES.

    • 3 de março de 2010 at 15:28

      Bela contribuição Raymundo Almeida! Vou gostar de saber mais desse Horst John, saudações violinísticas e volte sempre!

  3. Maxwell Pereira
    19 de maio de 2010 at 20:45

    Nota 10 teu site, parabéns, ótimas noticias, dicas, continue assim. abraços

    • 19 de maio de 2010 at 21:10

      Obrigado, fique a vontade para contribuir! Aliás, posso eleger alguns colaboradores para o blog. Volte sempre! ;-)

  4. Everton
    24 de maio de 2010 at 16:41

    Boa tarde!

    A respeito de breu, os famosos Viennas Best e Andrea, realmente são muito superiores ao Pirastro, Dominant, JADE…?

    • 26 de junho de 2010 at 12:53

      Everton, não vou poder te ajudar, eu nunca comparei e nem mesmo discuti isso com alguém. Vou investigar e fuçar mais pra saber porque isso é importante pra mim, pra você e pro restante dos violinistas.

      Obrigado, e volte sempre! ;-)

  5. 9 de junho de 2011 at 9:35

    de que é feito o breu…..não sei porque o breu pirastro estar me dando alergia, toda vez que toco começo a espirra o que faço, sera que existe uma subistancia quimica nele, ataca até minha garganta começo a tossir as vezes paro ate de toca. Por favor me ajudem……..obrigada

    • 9 de junho de 2011 at 22:00

      Bem, é sabendo disso que existem breus que são feitos pensando no seu caso, mas no momento não saberia te responder o material exato assim como também a marca ou modelo que é feito para esta finalidade. Eu já pesquisei a respeito antes e já tinha visto para comprar e tudo mais, mas agora preciso procurar de novo.

      Foi um prazer poder receber seu comentário aqui Mendonça, espero que retorne mais vezes! ;-)

    • 27 de junho de 2011 at 23:00

      conheço uma pessoa que teve que parar de tocvar violino por causa da alergia….na pele…fica toda inchada….muito cuidado…..use pouco breu… afinal não é necessário ficar passando sempre no arco….

    • Dirceu
      3 de julho de 2013 at 14:52

      Procure nos seus fornecedores, e ou na internet, pois existem breus anti-alérgicos. Porém você precisará testar, pois alergia não é padrão e mesmo o anti-alérgico pode te provocar reações, (tenho uma irmã que é alérgica a remédios anti-alérgicos). O breu é a resina residual na destilação da terebentina para lhe extrair a essência ou aguarrás.1 À temperatura ambiente se apresenta como um sólido amorfo, de coloração amarelada e com um odor de pinho devido a terebintina ainda presente. Fonte Wikipédia.
      Espero ter ajudado.

  6. 27 de junho de 2011 at 22:58

    gosto bastante dos arcos de fibra de carbono…..sao bem parecidos com os de madeira…Parabens pelo site…..

    • 27 de junho de 2011 at 23:00

      Fico muito satisfeito em poder saber disso Samuel. Eu tenho tanto de madeira quanto fibra e acho muito bom. Boa semana! ;-)

  7. Fernando
    15 de agosto de 2012 at 21:17

    Parabéns pelo site. O breu tem como principal componente o ácido abiético, um ácido orgânico fraco, extraído da resina de pinho, onde se separa o ácido abiético da terebintina (solvente para tintas óleo). O ácido abiético causa reações alérgicas em muitas pessoas e também pode corroer as cordas ao longo do tempo em locais mais úmidos. Por isso sempre é com limpar as cordas tirando o excesso de breu antes de guardar o violino ou cello (toco cello). Preciso encrinar o meu arco, vc tem algum contato que possua boa crina?
    abraços

  8. 10 de fevereiro de 2013 at 9:12

    bom meus amigos, eu sou maestro a mais de 40 anos e nunca tinha experimentado aprender tocar violoncelo, só que agora como tinha que dar aula para uma orquestra aprendi com a maior facilidade nunca pensava que era tão fácil assim fico muito contente com isso, sobre a resina eu ainda não sabia sobre o mal que deveria fazer aos músicos pra mim é uma experiencia a mais, parabéns ao seu site abraços.

  9. Reinaldo
    23 de fevereiro de 2013 at 9:27

    “A Árvore da Música”: um excelente documentário sobre o arco feito com o pau-brasil, passou recentemente na NET, canal GloboSat.
    Algumas informações podem ser obtidas aqui:
    http://aarvoredamusica.blogspot.com.br/

    No Youtube há alguns trechos do documentário.

    É imperdível!

    abs,

    Rei/SP

  10. Hédner Corrêa
    15 de maio de 2013 at 12:26

    Obrigado!
    Muito esclarecedor e extremamente categórico.
    Parabéns!!

  11. DAVI RODRIGUES MARTINS
    30 de maio de 2013 at 10:37

    Olá!!!

    Sou uma criança de 53 anos e estou aprendendo a +- 1 ano e estou adorando,quanto ao site nota 1.000000000

    • 30 de maio de 2013 at 11:19

      Parabéns Davi, continue com este espírito juvenil aproveitando do melhor que a música pode proporcionar. O portal Violino Vermelho espera continuar sendo útil na sua nova empreitada. Bons estudos! ;-)

  12. Stephanne
    1 de junho de 2013 at 12:08

    Muito Obrigada pela explicação!!! ;)

  13. Dirceu
    3 de julho de 2013 at 15:06

    É, eu também agradeço, pois tenho pesquisado muitíssimo sobre matérias de estudo e matérias de elucidação de dúvidas, pois quando precisei comprar meu violino não tinha o “capim” para um de luthier e então pesquisei entre os de indústrias qual o melhor equilíbrio entre custo/benefício, nesta procura achei um artigo como este dando uma classificação linda e elucidativa entre os principais encontrados na praça, me ajudou imensamente, por isso entrei aqui já tentando ajudar também. Parabéns pela iniciativa, embora esteja somente a 5 meses no ramo, tenho estudado todos os dias e até 3 horas alguns dias, tenho um Eagle VK544 lindo que um luthier amigo meu deu um banho de regulagem nele, (risca no traste, ajuste e lixa na alma, lixa no cavalete, e breu no pé do cavalete bem como na parte atritante das cravelhas na voluta, conselho e ajuste nas cordas, como passar o breu no arco), meu violino ficou uma jóia preciosa, tem um som que eu fico admirado e me cativou profundamente. Meu violino se chama Vitor.
    Eu tenho 58 anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *